Dominique Barbier - Entrevista cedida em Outubro de 2014

27/03/2015 14:58

1) A sua metodologia de treinamento de cavalos inclui técnicas de comunicação mental e o entendimento da natureza do animal para deixá-lo mais à vontade e mais “feliz” durante o processo de treino. Como foi que o senhor percebeu esta sensibilidade para lidar com os cavalos?
D.B.: Bem eu acredito que adestramento ou treinar cavalos é tudo sobre sensibilidade e por muitos e muitos anos, como foi um processo extremamente mecânico, as pessoas ficaram somente no nível físico de formação , portanto, elas não progrediram para o nível de pensamento ou comunicar-se com seu cavalo. Antes era estritamente mecânico, um processo físico de treinar os cavalos. Mas isso não é realmente verdade , porque cada treinador a este nível tinha a capacidade de "sentido" e "sentir" o cavalo , mas eles nunca iria falar sobre isso. Eles sempre disseram : "É todo o processo físico " e eles descrevem a equitação pela física técnica do treinamento. Porém,  é claro que existe muito mais do que isso, os cavalos são criaturas muito sensíveis e a parte mental é, naturalmente, fundamental. Se o cavalo está chateado , ele não vai executar seus exercícios vibrando, ou de forma expressiva . Por outro lado, se o cavalo é feliz, ele vai dar- lhe o melhor desempenho , porque ele pode e ele quer . Portanto, o próprio princípio da formação de cavalos é certificar-se de que cada parceiro quer dançar . Se o parceiro quer dançar, após ter esta vontade torna-se somente um processo muito sistemático de  progressão Atlética para desenvolver o seu atleta para ser um dançarino feliz .

 

 

2) Como funciona esta técnica de comunicação mental com o cavalo?
D.B.: Bem, é como tudo o mais , quando você guia o cavalo em primeiro lugar  você tem que ter a imagem na sua cabeça , você visualiza o que você quer , e é esta visualização que é a parte mental do treinamento sendo a mais importante atitude. Portanto, quando você visualiza o que você quer sempre passa as progressivamente reduzir a parte física até o mínimo. Então, você se tornou menos físico e mais mental. Portanto, com esse trabalho com o cavalo, onde você visualiza seu desejo , você visualiza o seu trabalho a guia, na mão e, o mais importante , é claro, é saber o que você está procurando. Clareza mental sobre o que se esta buscando permitirá que o seu progresso se realize de forma suave e segura. Você está olhando para a imagem de um cavalo que é redondo, é macio na boca, e começando a entender. Portanto entender o que? Entender o passo, entender o Alto, entender o passo a pé e , em seguida, a transição para o trote, então a transição para a galope. Você vai nível a nível até você chegar a uma clareza na compreensão. O que quero dizer? Quero dizer tudo o que você faz, você faz menos fisicamente e mais mentalmente e o cavalo progressivamente lê sua mente ou vê a imagem que você vê. Deste modo , a comunicação mental torna-se cada vez melhor.

 

 

3) Quanto tempo leva para treinar um cavalo de acordo com a sua metodologia?
D.B.: Bem , eu acho que depende de cada indivíduo . Cada indivíduo, bem como cada  cavalo é e, é claro, de cada treinador . O método é mais rápido do que qualquer outro método porque o cavalo entende o que você está pedindo para ele fazer, e se ele entende , então ele é mais capaz de fazê-lo. Portanto, a melhor visualização que você tem, a melhor compreensão para você construir que esta visualização,  mais fácil será para o cavalo para lê-lo e entende-lo. Para responder à sua pergunta sobre quanto tempo, eu realmente acredito que é mais rápido do que o método físico, porque o cavalo não é apenas obrigado a fazer isso, mas ele quer agradá-lo, porque mentalmente ele entende o que você quer. Portanto, para mim, é muito mais rápido. O nível mais baixo que chamamos de "la base ecole”  ... a escola primária" deve ser concluída entre 6 meses e 1 ano sob a sela , sem problemas , e , em seguida, os movimentos mais elevados ou a "Haute Ecole" leva um pouco mais de tempo para desenvolvê-lo.

 

4) O senhor vem bastante ao Brasil e o seu trabalho já é bastante difundido por aqui. Como o senhor vê a equinocultura brasileira? O que precisa ser feito para aprimorar o treinamento dos cavalos brasileiros?
D.B.: Bem , a minha experiência é muito limitada , porque eu só faço adestramento (dressage), entende? Então eu só posso falar sobre a parte de adestramento clássico. Neste momento, o dressage no Brasil é muito limitado, se posso dizer isso, e é muito limitado para a maioria do mundo da competição. Você sabe que os Jogos Olímpicos vão ser no Rio, em poucos anos e o grupo de adestramento está muito fascinado pela competição. Isto não é o que eu faço, como você sabe. Quantas pessoas estão realmente dispostos a aprender o clássico e para aprender a leveza, a leveza clássica francesa, e quantas pessoas querem desenvolver um melhor relacionamento com os seus cavalos? Não é muito claro agora, porque eles estão completamente na equitação física e gostaria de dizer, uma equitação física muito dura que é , naturalmente, a partir da influência alemã. Tenho observado cavaleiros se tornam cada vez mais físicos e físicos (mais duro) . Eu não gosto deste progresso , eu nunca fiz, mas este método existe em todo o mundo, não só no Brasil. É em todo o mundo que as pessoas perdem a sua sensibilidade e realmente querem dominar o cavalo através da força. É tudo uma questão de motivação, você vê? A questão é 'por que eu estou com o meu cavalo? 'Você é um cavaleiro porque você ama a conexão que pode criar com o seu cavalo, a parceria ? Ou você é um cavaleiro porque você tem metas de competição que você goste e quer realizar? Lógico que meu método não visa a competição, mas o conjunto que usa este método para treinar pode sim entrar em uma competição e se sair bem, afinal o cavalo fará os exercício de uma maneira muito melhor e mais bonita por querer dançar com seu par (cavaleiro) e ser um bom dançarino.

 

 

5) O que o senhor abomina no manejo e na preparação dos cavalos, sejam eles atletas ou de exposição? Por quê?
D.B.: Bem, o que eu não gosto neste mundo de dressage de competição é que o cavalo não está relaxado, há muita tensão, há um monte de rigidez e os cavalos não são felizes. Se você ler a definição de dressage da FEI que diz que precisamos de um atleta (cavalo) flexível e feliz, mas eu lamento dizer, mas muito raramente vemos nas competições muita resistência, você vê um monte de cavalos que estão felizes de estarem lá, e isso acontece, principalmente, pela falta de compreensão. É uma falta de compreensão de como devemos estar com os nossos parceiros (equinos) que traz o melhor neles, que é a compaixão, o amor, e, as práticas de formação honrosas e sustentáveis.

 

 

6) Que mensagem o senhor gostaria de deixar aos amantes dos cavalos
D.B.: Bem, a grande mensagem para os amantes de cavalos é que você precisa amar o seu cavalo. Sim, e é muito simples, encontre um treinador que pode ajudá-lo a descobrir o que o seu cavalo gosta e o que ele não gosta . E se ele não gostar, eu aconselho que você não faça isso. Portanto descobra um instrutor que compreende os cavalos e as suas mentes e faz você sentir que você é parceiro de seu cavalo, e então quando você tem uma chance de ser parceiro,  o resultado será ter o seu parceiro feliz, e quando o seu parceiro está feliz, ele vai ser um melhor dançarino com você . E é claro que você tem um relacionamento melhor com tudo em volta. Portanto, a mensagem é realmente: ame seu cavalo, e não uma fita azul, não o outro aspecto social do mesmo. Mas você tem que desenvolver essa relação, a mina de ouro que está lá para você em relação com o seu cavalo.